terça-feira, 9 de junho de 2009


AVIÃO AIR FRANCE CAI! ONDE DEUS ESTAVA?
Formação Humana
08-06-2009

Poderíamos ainda perguntar: Mas Deus não é amor, porque então permite o mal? Ou ainda: a existência do mal não coloca em cheque a doutrina da onipotência divina? Deus é verdadeiramente o Todo-Poderoso? Ou ainda: Deus existe?
Para essas perguntas, dolorosas, dramáticas e inevitáveis num momento como este em que estamos vivendo, não temos uma resposta rápida, nem do tipo 2 + 2= 4. Ao mesmo tempo, não devemos temer essas perguntas, precisamos deixar que essas interrogações venham à tona, pois uma tragédia como essa tem algo a nos falar. E, com humildade, precisamos procurar o sentido de um tal acontecimento.
Quando perguntamos o “porquê?” do sofrimento, na verdade, já estamos afirmando que este tem um sentido. Mesmo que este sentido ainda seja desconhecido a nós, mas o espírito humano consegue intuir o seu significado e se mover rumo a sua procura. A nossa pergunta expressa o reconhecimento de que o sofrimento tem um conteúdo a ser descoberto e uma lição a ser aprendida. E o desejo de aprender com o mistério da dor. Viktor Frankl diz que o sofrimento faz com que o homem se torne lúcido diante do cotidiano que tende à dispersão. E ainda, a dor nos convida a tomarmos posse de nós mesmos, da nossa situação e do verdadeiro significado das nossas vidas.
Como cristãos, é no patrimônio da nossa Fé, na gigantesca herança que recebemos desde os nossos primeiros pais, no todo e em cada parte do tesouro da nossa Fé que encontramos a resposta para o sofrimento e para um acontecimento como a queda do avião da Air France. Para compreendermos uma realidade pontual na história precisamos analisar o todo, o modo como Deus sempre agiu com o homem.
Precisamos olhar para a bondade da criação, para o drama do pecado, o amor paciente de Deus que se antecipa ao homem pelas suas Alianças, pela Encarnação redentora de seu Filho, pelo dom do Espírito Santo e pela Instituição da Igreja que atualiza a obra redentora de Cristo pondo-a a disposição de todos os homens em todos os tempos.
O Catecismo da Igreja Católica diz que Deus, por livre amor e vontade, quis criar o mundo em estado de caminhada. Então, seja o mundo, sejamos nós como presença no mundo, estamos a caminho do absoluto. E aí, ao perguntarmos qual o sentido do sofrimento, podemos também, nos interrogarmos: o que acontece com a vida que está a caminho? Para isso sim, parece que temos uma resposta rápida. Durante uma caminhada que tem a duração da vida do mundo, por muitas vezes teremos o ar puro das montanhas para respirar, ou a beleza do mar para contemplar. Mas também, enfrentaremos o cansaço, dores musculares, torções no tornozelo e outras coisas desafiantes. Ao final da caminhada tudo terá valido a pena, pois tudo terá favorecido o nosso crescimento.
Eis então, a resposta cristã ao problema do sofrimento: Deus todo poderoso não permitiria que de modo algum acontecesse qualquer coisa de mal, se dela não pudesse tirar um bem ainda maior. Ao analisarmos a pedagogia de Deus para com o homem durante toda a história da salvação podemos concluir que a afirmação acima é verdadeira. Que esta não é somente uma teoria, mas é um dado de fato.
Deus é tão poderoso que além de criar do nada todas as coisas boas, Ele também é capaz de extrair do mal um bem ainda maior.
Voltando para o assunto que nos aflige nestes dias, ou seja, o desaparecimento do avião da Air France. Realmente nos deparamos com um acontecimento que nos tira o chão, que nos deixa perplexos e que nos leva a perguntarmos: porquê? Dirigimos esta pergunta a nós mesmos, aos outros... a Deus. Enfim, estamos diante da nossa fragilidade... diante das nossas limitações, pois por mais que a inteligência humana realize prodígios, muitas vezes, o trabalho das mãos do homem se volta contra o próprio homem. Estamos diante de algo que mais do nos levar a perguntar o porquê de uma morte assim? Põe-nos a pergunta sobre qual é o sentido da vida aqui?
Pelo sacrifício da vida de Cristo, Deus realizou a maior de suas obras em favor dos homens. Será que Deus, que é amor e verdade sem fim, não quer realizar algo em nossas vidas a partir do sacrifício daqueles inocentes mortos neste acidente?
Certa vez, o autor de um filme colocou sobre os lábios de um personagem a afirmação: O sofrimento é o grito de Deus para acordar o mundo surdo.
Com a nossa Fé nós professamos que Deus não é – nem direta, nem indiretamente – a causa do mal, mas que o permite para dele tirar um bem maior. Então, ao perguntarmos onde estava Deus quando isso aconteceu? Encontramos como resposta que como aconteceu com Jesus Cristo, Deus estava presente na pessoa daquele que sofre em favor dos homens.
Aquelas vidas mergulhadas no oceano não ficaram sem sentido pela morte que tiveram, muito menos desapareceram na história, muito pelo contrário, ganharam ainda mais sentido com o sentido que podem dar à nossa existência. Estão ainda mais vivas pela vida que podem gerar em nossos corações. Eis um pouquinho do porquê? de um tal acontecimento. Na ótica de Cristo, pode ser visto como morte que gera a vida.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
por Silvio Scopel, Missionário da Com. Católica Shalom
Comunidade Católica Shalom