sábado, 19 de setembro de 2009



Papa convoca a vencer a morte pelo amor e dar a vida pelas almas

''O amor vence a morte''


"Dar a vida pela salvação das almas". Este foi o convite do Papa Bento XVI aos cerca de 4 mil fiéis e peregrinos reunidos, neste domingo, 9, no pátio da residência de Castel Gandolfo, para a oração dominical do Ângelus.
Assim como no domingo passado, no contexto do Ano Sacerdotal, o Papa meditou sobre alguns santos recordados pela liturgia nestes dias: Santa Clara de Assis e dois mártires executados no campo de Auschwitz: Santa Teresa Benedita da Cruz, antes
chamada Edith Stein, judia convertida ao catolicismo, e São Maximiliano Kolbe, natural da Polônia.
“Estes santos são testemunhas da caridade que ama até o fim, não levando em conta o mal recebido, mas combatendo com o bem. Devemos, especialmente nós, sacerdotes, nos inspirar neles, em seu heroísmo evangélico que nos leva, sem temer, a darmos a vida pela salvação das almas. O amor vence a morte”, proclamou Bento XVI, recordando que todos os santos, especialmente os mártires, são testemunhas de Deus, que é amor.
Nascido na Baviera, em 1927, Bento XVI afirmou que os campos de concentração nazistas, como todo campo de extermínio, podem ser considerados símbolos extremos do mal, do inferno que se abre sobre a terra quando o homem se esquece de Deus e quer substitui-Lo, apropriando-se do direito de decidir o que é o bem e o que é o mal, de dar a vida e a morte. Infelizmente, no entanto, este triste fenômeno não se limita aos campos de concentração. São o ápice de uma realidade ampla e muito comum, que tem confins indefinidos”.
Bento XVI sublinhou as divergências existentes entre o humanismo ateu e o humanismo cristão: uma antítese que se verificou em toda a história, mas que no fim do segundo milênio alcançou seu ponto mais crucial.
“Por um lado, existem filosofias e ideologias, mas cada vez mais há modos e pensar e agir que exaltam a liberdade como único princípio do homem, como alternativa a Deus, transformando o homem em um deus, mas é um deus errado, que se comporta arbitrariamente. Por outro, existem os santos, que, praticando o Evangelho da caridade, dão razão à sua esperança, apresentam o verdadeiro rosto de Deus, que é Amor, e ao mesmo tempo, o rosto autêntico do homem, criado à imagem e semelhança divina”.
Antes de rezar a oração mariana, o Papa pediu para rezarmos a Nossa Senhora a fim de sermos santos como estas heróicas testemunhas da fé e da entrega de si, até o martírio. “Este é o único modo para oferecermos aos questionamentos humanos e espirituais suscitados pela crise do mundo atual, uma resposta crível e exaustiva: a da caridade na verdade”, completou o Santo Padre.

Saudações aos peregrinos

Depois de rezar o Ângelus com os fiéis, o Papa fez suas saudações em várias línguas, recordando o testemunho dos santos e desejando a todos um bom domingo.
Em transmissão ao vivo para a Polônia, Bento XVI se disse particularmente próximo aos fiéis que nestes dias de agosto fazem peregrinação a pé ao Santuário de Nossa Senhora de Jasna Gora, em Czestochowa, e a outros santuários marianos.
“Que seu caminho traga frutos abundantes: a conversão dos corações, o dom da divina misericórdia e a proteção de Nossa Senhora. Confio às suas orações o meu ministério universal e as intenções da Igreja”.
por fim, o Pontífice concedeu a sua bênção a todos os fiéis presentes, bem como aos que o acompanharam pelo rádio e pela televisão.

Fonte: Canção Nova

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por nos visitar!